Para casas de acolhimento

O Ginja quer chegar às crianças que mais precisam!

O Ginja ajuda crianças para eventos traumáticos não se tornarem trauma.

Várias casas de acolhimento dizem que conseguem envolver os jovens, que ensinam o Ginja aos mais novos. Estes, por sua vez, também prestam mais atenção quado vêm os mais velhos a ajudar.

Temos muitos casas de acolhimento a usar o Ginja com crianças dos 5 aos 10. Os jovens acompanham as crianças mais novas no programa e também aprendem. Num "webinar" com o Instituto da Segurança Social, duas casas de acolhimento apresentaram o seu contexto, utilização e resultados do programa do Ginja. Pode clicar para descarregar as apresentações: Lar Juvenil D. Maria Amália Cordeiro Vinagre em Vila Viçosa e Casa de Acolhimento "A Gaivota".

Testemunhos

O que eu acho do meu amigo Ginja é que está a fazer um grande projeto. E que é um grande amigo porque é sempre produtivo e interessante trabalhar as emoções, conhecê-las, saber o que as faz aparecer e compreendê-las para agir.

~ D. 17 anos, Lar Juvenil D. Maria Amália Cordeiro Vinagre

Todas as crianças do grupo tiveram uma boa reacção e adesão aos vídeos. Principalmente as mais pequenas adoravam as músicas, aprendiam com muita facilidade as letras e começavam também a cantar. As actividades manuais entusiasmam as crianças e ajudam a perceber as mensagens, por exemplo foi muito mais fácil compreender a metáfora das ondas do mar com o taumatrópio das emoções. O programa facilita a expressão emocional da criança, possibilita momentos de partilha de forma lúdica, e é um bom avaliador das necessidades emocionais de cada criança. No caso das crianças em acolhimento residencial é importante que quem aplica o programa tenha formação de forma a poder trabalhar os conteúdos e dar resposta a perguntas inesperadas. A faixa etária de aplicação pode ser mais ampla, por exemplo com jovens ajudar a aplicar o programa aos mais novos. A aplicação em grupo permite trabalhar a interacção e a coesão de grupo.

É vantajoso existirem elementos da equipa educativa que participem na aplicação do programa, por dois motivos. Por um lado, sabem do que é que se está a trabalhar com as crianças e conseguem perceber quais são as necessidades destas. E por outro lado, é uma oportunidade para a equipa educativa também aprender com os conteúdos explorados no Ginja, inclusive ouvindo as respostas que os técnicos dão às crianças. Numa situação idêntica, em que por exemplo, uma criança esteja a fazer uma birra, poderão pôr em prática aquilo que aprenderam na sessão e lidar melhor com a situação.

~ Cláudia Loios, directora técnica, e Beatriz Grilo, psicomotricista, Casa A Gaivota, Santa Casa da Misericórdia de Albufeira.

Como posso usar?

Educadores e profissionais da área de crianças têm o direito de usar os nossos conteúdos com as crianças que acompanham, gratuitamente e sem qualquer contrapartida. Pode ver os 4 primeiros episódios com inscrição gratuita no botão abaixo (depois disso, por favor contacte-nos através de ginja (arroba) ginja (ponto) org para aceder ao resto dos conteúdos de forma inteiramente gratuita).

A nossa equipa pequena conta com a vossa ajuda para chegar a todas as crianças que precisam.